quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Palavras sentidas


sentir o que não existe é uma qualquer saudade de nós próprios.

valter hugo mãe, a máquina de fazer espanhóis

2 comentários:

quicas disse...

Palavras...

que sentimos

que gritamos

dentro!

Que sorte que será gritar palavras - azuis, ou sejam de que cor forem - no fundo do mar! (também... ainda não sou avô!)

(gosto do que - e como - partilha, daquilo que vai lendo! - oxalá as minhas sentidas reacções não perturbem as emoções que fluem neste espaço! obrigado!)

bj

De Profundis disse...

Quicas, não tem que se preocupar, não perturba nada. Entre sempre que queira e sinta-se bem e à vontade para partilhar emoções.

Bjo