domingo, 28 de fevereiro de 2010

Desaparecer na estrada


Na minha terra
há uma estrada tão larga
que vai de uma berma à outra.

Feita tão de terra
que parece que não foi construída.
Simplesmente descoberta.

Estrada tão comprida
que um homem pode caminhar nela.

É uma estrada
por onde não se vai nem se volta.

Uma estrada
feita apenas para desaparecermos.

Mia Couto, Estrada de terra, na minha Terra

4 comentários:

Kleine Hexe disse...

Fantastico =)
Eu já me perdia por ela...

Beijinhos

De Profundis disse...

Tens razão Kleine, este poema do Mia é na verdade, fantástico.

Beijinho

Lídia Borges disse...

Mia Couto é mágico!

Não conhecia esta estrada, mas às vezes dá vontade de a procurar, quando os rumos parecem querer apagar-se, em nós.

Beijinhos

De Profundis disse...

Acho que descobri a estrada de que o Mia fala, Lídia.
E apetece-me iniciar uma viagem...

Um beijinho querida :)