domingo, 29 de maio de 2011

Da felicidade

O cúmulo da felicidade é uma gota de felicidade a mais. Acontece ao morrer.

(Disseste. Disseste sem que uma sombra de medo te turvasse os olhos tão tristes. Disseste com as tuas mãos entre as minhas, os teus dedos manchados do sangue doce das cerejas que te levei. Disseste que querias ser feliz. Finalmente feliz, disseste-o. E sem que o tivesses visto, algo desabou dentro de mim... e eu chorei.)

2 comentários:

Maria Campos disse...

Que as lágrimas te tenham ajudado a ressurgir da dor que desabou em ti. E que tenham lavado o sangue doce de quem perdeu o apego à vida.
Podería dizer-te que foram palavras de desabafo, que ela vai melhorar... mas, infelizmente, não posso.
Lembro-te, somente, que sei que tudo fizeste e continuas a fazer, para que esta pessoa que tanto amas agarre de novo a vida...eu sei! Mais.. é impossível!
Que te posso dizer mais ?
Aproveita os momentos únicos, só teus e dela, mimando-a sempre !

Um abraço de parabéns pelo apoio incondicional que lhe tens dado.

De Profundis disse...

Maria, nunca fazemos tudo o que podemos... Daí a sensação de impotência que me rói devagarinho...
Obrigada pelo teu carinho,

Beijo