sábado, 19 de dezembro de 2009

Sem palavras


De repente, o escuro... Sempre que as palavras não nascem.

2 comentários:

Lídia Borges disse...

Como se o silêncio não pudesse ser a luz!
As palavras virão, tenho a certeza!

Um beijo!

De Profundis disse...

Sim, Lídia, o silêncio também é luz... Mas é nas asas das palavras que eu encontro a claridade.
Um beijo