domingo, 30 de março de 2008

O Arco dos Desejos


Hoje o dia amanheceu solarengo e talvez por isso, foi com surpresa que a meio da tarde dei comigo a espreitar as nuvens negras ameaçadoras e a morder os lábios contrariada: ia chover. Nem mais nem menos: momentos depois, uma chuva forte e um vento gelado abatiam-se sobre a cidade, inundando as ruas, obrigando-me a conduzir devagar. Choveu torrencialmente durante algum tempo mas depois, subitamente, tão rápido como chegara, a chuva acalmou e tímidos farrapos de sol rasgaram o céu quase azul. O horizonte estava lindíssimo e encostei o carro para ver melhor um enorme e colorido arco-íris enfeitando os céus já claros, já luminosos. Lembrei-me então da voz da minha avó que me dizia sempre, entre sorrisos, para pedir um desejo... E de olhos fechados, formulei um pedido... Acreditando por momentos que aquele arco colorido é de facto uma ponte que liga dois mundos, um caminho que conduz o Homem da Terra ao Céu, e não apenas um simples fenómeno de refracção e reflexão da luz... Estas coisas não se explicam, julgo que nós humanos temos por vezes necessidade de acreditar que há qualquer coisa nos céus que nos ajuda a cumprir os sonhos, a realizar os desejos... Qualquer coisa em que possamos confiar de olhos fechados e a quem desejamos entregar a resolução de problemas que nos pesam demais. Nem que seja um arco-íris.
Quando meti a chave na ignição para pôr novamente o carro a trabalhar, dei comigo a sorrir sozinha enquanto olhava as pinceladas de cor que se esbatiam lentamente. Com o coração aninhado, apreciei os momentos finais de um fenómeno tão belo, tão efémero, tão frágil... Como os desejos. Como os sonhos.

1 comentário:

Maria Campos disse...

Para ser feliz, aliás, para sobreviver, o ser humano necessita de sonhar.Sim, sonhar, mesmo sabendo que muito desses sonhos nunca serão realizados!


Bj grnd, m.c.