segunda-feira, 17 de março de 2008

Espero


Procuro a palavra. Espero-a, na página branca mas ela tarda e eu tenho frio. Conheço-a de cor, sei exactamente qual quero, mas ela demora-se enovelada talvez em sentimentos secretos, perdida no fim do coração. Gosto deste jogo, da sedução provocadora da palavra que se atrasa, se faz desejar como negra andorinha riscando o céu na Primavera. É urgente que ela chegue, para poder soltar o peito na liberdade da escrita.
Sabes, eu acho que tu nunca entendeste... Eu não escrevo porque quero ou porque gosto.
Escrevo porque preciso.

2 comentários:

Anónimo disse...

Eu entendo-te.

Beijinho :)

Maria Campos disse...

Eu, sei.

Bj,M.C.