segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Traição


Há palavras que se recusam ao silêncio.
Mesmo aprisionadas, enclausuradas, abafadas, esvoaçam pela luz dos olhos ou são traídas pelas pontas dos dedos, pelo deslizar da sombra dos corpos.
Há palavras que juramos nunca proferir, mas num irresistível anseio de liberdade, elas denunciam-se num tom de voz. Ou no rasto de um olhar. Ou num sorriso.
E traem-nos, as palavras fugitivas, aquelas que não queremos pronunciar, que calamos, mas que acabam por nos desnudar a alma se nos apanham desatentos e conseguem estilhaçar as masmorras onde as ocultamos.
Porque são verdade.

3 comentários:

Anónimo disse...

Nenhuma palavra deve ser calada,nenhuma.

Um beijinho

Anónimo disse...

Quando a voz se cala,fala o corpo...

Manela disse...

E muitas vezes acabamos por dizer tantas coisas sem abrir a boca...

Um beijinho,querida