sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Sombras


Foi só uma sombra que me fez tropeçar. Que me dobrou o corpo em dois e me fez perder o equilíbrio. Andava encostada a mim, infiltrava-se nos bolsos da roupa molhada e ria-se... que eu bem a ouvia. Enxotava-a com a mão mas ela voltava como voltam todas as sombras, sem razão aparente e mandando mais do que a minha vontade. Ignorei-a. Foi então que hoje ela voltou mais forte e me encheu de frio. O frio triste de uma longa noite de inverno, o inverno do desassossego. É só uma sombra, eu sei. Mas caminha comigo, ao meu lado, fala-me mais alto do que os pensamentos, essa sombra lunar de face oculta, audível e insinuosa. Viscosa. Agarrada a mim.
Isto passa... Foi só uma sombra que atravessou o meu olhar.

2 comentários:

Lídia Borges disse...

Sombras são mais visíveis quando o sol começa a brilhar...
Quem se importa com sombras se o calor do sol já se insinua?


Mais um texto lindo, repleto de poesia.

Beijinhos

De Profundis disse...

Obrigada Lídia :)
Beijinho e bom fds