domingo, 19 de setembro de 2010

OITO


Porque é um número par, com um único dígito, como eu gosto. Porque é bonito, constituído por dois círculos que se fecham e eternamente se repetem, num eterno recomeço. Porque me faz lembrar dois rostos colados, encostando-se, beijando-se na boca. Ou os dois pratos de uma balança, onde pesamos o bem e o mal, os anjos e os demónios... Porque é um número que se repete em si, numa obstinação que me agrada... e sobrepõe dois anéis unidos numa estranha aliança. Porque o oito não tem cimo nem baixo, certo ou errado. O oito é um número fechado, como um casulo, uma concha ou um ninho... e parece o par de algemas que me prende aos sonhos...
O oito foi o primeiro número que os meus dedos de criança aprenderam a desenhar... E é o único algarismo que mesmo tombado, pende para o infinito...
Está decidido.
Serão oito.

4 comentários:

Miss B-Beautiful disse...

Muito original e muito bem pensado!
Gostei!

O Alquimista disse...

Há coisas curiosas na vida, sabias?! Eu prefiro os números ímpares. E o meu mais que tudo, é o três (3)! Que, curiosamente, é metade do teu "oito" (8). Há coisas curiosas na vida. Mas gosto do teu infinito azul...
Um beijo sentido.

De Profundis disse...

Obrigada Miss B-Beautiful :)

Beijinho

De Profundis disse...

Sim, Alquimista... Há coisas curiosas...
Saudades de te ver entrar aqui... :)

Beijo