terça-feira, 10 de novembro de 2009

Da claridade dos teus passos


Falta a luz dos teus olhos na paisagem:
O oiro dos restolhos não fulgura.
Os caminhos tropeçam, à procura
Da recta claridade dos teus passos.
Os horizontes, baços,
Muram a tua transparência.
Sem transparência.
O mesmo rio que te reflectiu
Afoga, agora, o teu perfil perdido.
Por não te ver, a vida anoiteceu
À hora em que teria amanhecido...

Miguel Torga, Obra Poética

3 comentários:

Olívia disse...

Muitos, muitos amanheceres perfeitos para ti.

Lindo, o teu poema na forma e no conteúdo.

Beijo

Lídia Borges

Lídia Borges disse...

Não conhecia este!

Uma escolha que revela o teu bom gosto!

Beijo

De Profundis disse...

Olívia, finalmente encontraste-me! Benvinda ao meu cantinho e volta sempre que queiras.Bom fim de semana :)
Um beijo