sábado, 7 de novembro de 2009

Cá dentro


Hoje, se ainda estivesses connosco, teria sido um dia feliz. A família estaria reunida em volta de um bolo, tu apagarias as velas e pedirias um desejo com os olhos fechados... depois rasgarias o papel do embrulho dos teus presentes com um brilho no olhar e verias os livros que eu teria escolhido para ti... Brindaríamos com champanhe, as taças tinindo alegres na limpidez do cristal e desejaríamos uns aos outros muitos anos de vida, por entre abraços e sorrisos. Depois, como se tivesse outra vez quatro anos, eu procurava o teu colo e aninhava-me no calor do teu casaco de lã enquanto te contava ao ouvido a minha nova vida... E tu brincarias com as pontas do meu cabelo e ouvirias tudo atentamente, o teu olhar de médico clinicamente pousado no meu, à procura das minhas emoções...
Mas o dia não foi assim. Foi um dia gelado e triste. O coração pesou-me e aquele aperto no peito que sinto às vezes, esteve comigo o tempo todo. Acalmou um pouco quando te deixei uma flor na lápide branca onde o teu nome aparece já esbatido, escorrendo saudade e tristeza por entre as gotas de chuva fria. Acalmou um pouco, agora que te escrevo e conto quantos anos farias se não tivesses partido, agora que tento imaginar os teus cabelos negros salpicados de fios brancos e rugas no teu rosto bonito. Acalmou um pouco, enquanto relembro o teu colo, as mãos acarinhando-me, os braços apertando-me junto a ti...
Hoje seria o teu aniversário. E eu passei-o contigo, papá.

2 comentários:

sentidos de coimbra disse...

Olá Paulinha!

Obrigada pelo beijinho que me deixas-te.
Estive fora uns dias, e não me conectei, só cheguei ontem àquela hora, em que publiquei o teu comentário.
Também sinto muitas saudades! Temos que agendar um serão.
Beijinhos

cris

De Profundis disse...

Cris querida, a Brigada do Gin Tónico anda com a agenda atrasadíssima! Finalmente estaremos todos juntos esta semana.
Um beijinho