quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Janeiro

 
Abro de par em par as janelas deste janeiro frio e sereno. Há um sorriso secreto na luz do entardecer, tombado sobre o mar, nimbado de um azul quase violeta... O vento invade os labirintos agora desertos da minha vida, enche-os de esperança... Sinto um suave rasto de perfume e ouço a melodia eterna de uma sonata perdida... Debaixo da minha pele, onde só os meus olhos podem ver, aninha-se tranquilo o meu desejo para o novo ano.

4 comentários:

Maria João disse...


E só os teus olhos precisam de ver, Paula, esse desejo que te cobre de serenidade e esperança.

Um abraço apertadinho :)

Anna disse...

Um abraço apertadinho, Maria João :)

Beijos, muitos!

Mar Arável disse...

Saúde
para dar

mais força à indignação

Anna disse...

Um beijinho, Eufrázio :)