segunda-feira, 15 de agosto de 2011

(...)

A certa altura da vida começamos a aprender a esperar o tempo. A certa altura da vida o que nos mata não são as horas. O que nos mata são as palavras e a ausência de palavras.

Baptista-Bastos

2 comentários:

Maria Campos disse...

Como eu te entendo, assim como as palavras de Bastos...

Que te podería dizer? Nada..


Lindas palavras para ti. Amizade, tolerância, resignação, esperança,...

De Profundis disse...

Obrigada pelas palavras, Maria.

Abraço-te.