domingo, 6 de abril de 2008

POST SECRET


Atiraste-me outra vez para dentro de mim. Embato violentamente contra os limites do meu corpo, oscilo contra as bordas do meu ser... e aqui fico... enrolada para dentro, encostada às emoções.
Sou só muro, carapaça, sou só ausência, para onde me atirou o teu silêncio.
Ficarei assim, feita novelo de angústia, até que semeies de novo as palavras, até que as regues e as faças crescer e elas entrem por mim adentro, verdes, viçosas e urgentes, roubando-me espaço, obrigando-me a vir à tona respirar. E então, sei que terás ainda um punhado de palavras simples que me atirarás ao peito, que se farão escadaria forte e segura por onde eu possa subir, por onde eu possa fugir de mim, cansada da escuridão.

2 comentários:

Anónimo disse...

É tão,tão bonito!
E de tristezas, como vamos?

Beijinho :)

Manela disse...

Sinto-me toda arrepiada...As tuas palavras nunca me deixam indiferente.

Bjoca