sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Do Tempo que passa


Perdemos repentinamente
a profundidade dos campos
os enigmas singulares
a claridade que juramos conservar

mas levamos anos
a esquecer alguém
que apenas nos olhou.

José Tolentino Mendonça, in A Noite Abre Meus Olhos

9 comentários:

Elvira Carvalho disse...

É uma grande verdade.
Abraço

Eros disse...

Bom fim-de-semana, Ana!

Mar Arável disse...

Tantos são os silêncios

Jaime Portela disse...

Magnífica escolha poética.
Bom fim de semana.
Beijo.

Mar Arável disse...

Por vezes pardos

são os olhos de ver

Anna disse...

Um abraço, Elvira.

Anna disse...

Boa semana, Eros!

Anna disse...

Um abraço, Eufrázio!

Anna disse...

Obrigada, Jaime :)

Beijo