quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Em murmúrio


entre a saliva e os sonhos há sempre
uma ferida de que não conseguimos
regressar

e uma noite a vida
começa a doer muito
e os espelhos donde as almas partiram
agarram-nos pelos ombros e murmuram
como são terríveis os olhos do amor
quando acordam vazios



Alice Vieira, in Amor e outros crimes em vias de perdão

8 comentários:

Mar Arável disse...

Uma bela vertigem

Eros disse...

O Poema é belo, mas a escolha da imagem é ainda melhor. Quase que evoca outra Alice... A do país das Maravilhas... Um subtil toque de esperança no seio da escuridão.

Lídia Borges disse...


Alice Vieira...! Como são parecidas, entre si, as mulheres das letras, que é o lugar mais visível da vida, janela por onde é possível ver(-nos).

Um beijo

Lídia

Anna disse...

Como o Amor, Eufrázio...
Grata pela visita,
Um beijo :)

Anna disse...

No País das Maravilhas também se morre de amor...

Um beijo, Eros.

Anna disse...

Ando a ler Alice Vieira até à exaustão... Tão bela, tão infinitamente bela a poesia desta autora...!

Um beijo, Lídia. Sinto muitas saudades...!

heretico disse...

haverá então que estilhaçar os espelhos para que saliva e sonhos de fundam...

Anna disse...

Herético, a poesia sempre na ponta dos dedos...
Obrigada!

Um beijo