quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Não chores

 
Não chores. Prometo virar-me do avesso, fazer das tripas coração, revolver céus e terra, encontrar para ti o pote de ouro no fim do arco-íris... Prometo. Por favor, não chores. Não chores mais. As tuas lágrimas pesam-me como pedras no coração, são ácido que me corrói, que me rasga a pele, penetram fundo dentro de mim, misturam-se com o meu sangue e envenenam-me, matam-me aos poucos de tristeza... Deixa-me abraçar-te e contar-te o quanto te amo, o pilar que és para mim, minha terra, chão, raízes, o eixo que faz mover o centro do meu mundo... Não contes os dias... Não os contes. A tua matemática esmaga o resto da minha alegria, não vês...? Da morte nada sabemos, hoje é ainda vida e amanhã fará sol... Não chores. Olha, vou vestir-te um vestido bonito, o teu preferido, e se as tuas pernas não quiserem andar vou carregar-te ao colo como tu fazias comigo quando eu era pequenina, queres? Vou meter-te no meu carro e levar-te a ver o mar, as gaivotas, sentamo-nos na areia húmida a sentir o vento na cara, de olhos fechados... Quero que sintas a maresia, eu sei, tens tantas saudades do cheiro do mar! Jura-me que não choras mais, que não me falas outra vez da estrada cada vez mais curta, da curva onde deixarei de te ver para sempre, do teu nome repetido em silêncio nos dias vazios de ti... Também tenho tanto medo, sabes? Pudesse eu subir montanhas, atravessar rios e mares, arrancar todas as estrelas do céu para te tirar essas dores e fá-lo-ia... E não temas, se as tuas pernas não quiserem andar ou os meus braços não te conseguirem carregar, prometo trazer-te os meus olhos cheios de água salgada para que neles possas encontrar o mar. Não chores mais... Por favor, não chores.

8 comentários:

Mar Arável disse...

Uma ternura de texto
com palavras vivas

Anónimo disse...

Pudesse.

ORPHEU disse...

Palavras que enchem os olhos de água... Tão tristes...
Continua a ser um privilégio ocupar o meu tempo por aqui.

Anónimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=CmgDbn-GqrE

Olívia disse...


Ui!...
Tão difícil quando o que podemos é tão pouco perto do que queremos.

Eu sei, eu sei!... :(

Um abraço (apertadinho)

Rafael Menali disse...

Que texto lindo! Emocionante, tocou no fundo da alma. Pensei em minha mãe!

Anónimo disse...

Vale muito a pena perder maior parte do tempo por aqui,neste lugar interminável onde as palavras se soltam a cada movimento e as emoções voam como pássaros.Lindo mesmo sem dúvida

Anna disse...

Anónimo,

Muito, muito obrigada!

Deixo um sorriso :)