quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Saudade


Está confirmado. Pesquisei em todo o lado, perguntei a quem de direito, consultei os dicionários, naveguei na net... e não existe em mais lado nenhum. A palavra saudade é só nossa. É uma palavra portuguesa para a qual as outras línguas não encontram correspondência perfeita. Arriscam expressões cuja sinonímia é aproximada, mas a nossa saudade... é única, pessoal e intransmissível.
Palavra lindíssima, musical, ondulada como o bater do coração que a sente, diz o dicionário que quando usada no plural, significa lembranças. E haverá coisa melhor do que lembrar, do que recordar e sentir saudade? Afinal de contas, quem recorda é feliz outra vez...
Eu gosto de a usar no singular, gosto da ternura que escorre da sua significância, da doçura do seu som quando proferida em voz baixa e a sós, nos lugares do coração. E há tanta coisa boa de que tenho saudade, que gosto de recordar para ficar feliz outra vez... Tenho saudade do cheiro de Trás-os-Montes... de me deitar na terra e olhar de noite aquele céu enorme, negro, polvilhado de mil estrelas tão vivas e brilhantes que quase parece possível tocá-las... Tenho saudade do cantar dos grilos nos montes secos como pólvora... de comer figos empoleirada nas árvores até as bochechas ficarem remeladas de suco e mel e a barriga a doer muito... de lavar roupa em bicos dos pés, debruçada no grande tanque com água gelada e pura saída das entranhas da terra... tenho saudade de pisar a areia com os pés nus e sentir cócegas... de andar à chuva no Verão e deixar que o vento seque a roupa colada à pele... de comer um gelado à beira-mar... de fazer uma corrida no desmaiar das ondas, de jogar às escondidas e ao prego... de dançar na rua... Tenho saudade do cheirinho dos meus filhos quando eram bebés e cabiam nos meus braços... do colo da minha avó quando me entrançava os cabelos... dos beijos e do sorriso de ouro do meu avô... de andar na rua de mão dada com a minha mãe saltitando a pé coxinho... de todos os mortos que eu amei... Tenho saudade de tanta coisa boa neste ninho que é a memória... Por isso não compreendo quando me dizem que a saudade é tristeza. Não é. É pura felicidade estreitar alguém que amamos num abraço fundo e apertado e ouvir dizer sorrindo: Senti saudade...

1 comentário:

Maria Campos disse...

Fenomenal esta tua descrição! E concordo, saudade também pode ser felicidade. A este post, nota 20!

Bjs, mts bjs ,repletos de saudade de férias passadas juntos. Férias cheinhas de anedotas,cantorias,gargalhadas e boa disposição!