domingo, 6 de janeiro de 2008

Parabéns, Filha!


Entro devagarinho, em bicos dos pés, para não te ferir. Sei que não gostas de conversas profundas, de intimidades escancaradas à luz do sol... mas sabes, hoje tenho mesmo de falar para ti, de te desejar Feliz Aniversário, assim ao ouvido, só entre nós. Estás crescida, caminhas já sozinha, na ponta dos pés, já chegas mais alto e vês mais longe...
Quando nasceste e te puseram sobre o meu peito, eras um ser humano minúsculo, cor-de-rosa, macia, perfumada, vulnerável e indefesa. Carne da minha carne e sangue do meu sangue. E eu senti um medo terrível de não conseguir proteger-te, de não saber defender-te, orientar os teus passos na dança da vida. Mas quando te aninharam nos meus braços, cravaram-te também no meu coração e hoje eu percebo que um filho nunca deixa de fazer parte de nós, que há cordões que nunca se cortam... Os teus sucessos são os meus sucessos e as tuas lágrimas ardem-me cá dentro como fogo. Nunca partirás de mim, definitivamente, porque o amor entre pais e filhos é tão inquestionável e inevitável como o nascer do sol, todos os dias.
Às vezes, quando te observo sem que tu saibas, sinto um orgulho gigantesco por aquilo em que te tornaste. Quando te vejo dançar, feliz, no palco da vida, com esse brilho nos olhos e um sorriso nos lábios, ficas tão bonita! Carregas a beleza de uma jovem de bem com a vida, serena com o mundo e os outros. De bem com o coração. E sinto uma alegria inexplicável, invade-me uma onda de felicidade pelas escolhas que tu fazes, pelas vitórias que alcanças, pelos êxitos que somas.
Hoje precisas cada vez menos de mim mas queria dizer-te que estarei sempre aqui. Quando a vida te ferir e tiveres os pés em sangue, terás sempre o meu colo, os meus braços, o meu amor para te sarar; quando subires ao palco para receber aplausos e flores, procura-me perto de ti, na tua sombra, porque nunca te largarei. E não precisas de falar, de me chamar, porque quando estenderes a mão, a minha já estará entre as tuas.
Não prevejo o teu futuro, não sonho sonhos por ti nem para ti... esse é o teu papel, compete-te traçar os teus rumos... mas se tiveres dúvidas na escuridão da noite, na trovoada dos dias, caminharemos juntas até que não precises do meu ninho e possas voar sozinha, com as tuas próprias asas, robustas e seguras.
Hoje é o teu dia. Vive-o bem, vive-o feliz, porque é só isso que eu ambiciono para ti. Desejo não te desapontar nunca, nunca te desiludir e ser capaz de te dizer que te amo todos os dias. E eu amo-te tudo.
Parabéns, filha. Sê feliz!

1 comentário:

Na Ponta dos Pés disse...

Obrigada!!!!!!!!!!!!
Beijinhos