sábado, 6 de fevereiro de 2016

O nó das sombras


Ninguém sabe ao certo quando foi que ela começou a entristecer. Ninguém se deu conta, porque foi acontecendo devagar, tão devagar como o sol quando desce e lentamente vai cobrindo de sombras as copas das árvores nas montanhas... E se primeiro ficam escuras as montanhas, depois são os prados, os rios, e de repente, mar e céu, tudo são sombras da mesma cor da sombra da noite. Da sombra da morte.
Foi assim que aconteceu com ela, como um sol que se põe. Devagar. Sem ninguém perceber. 
Um dia deixou de cantar, mas a família não notou. Os amigos não notaram. Tempos mais tarde (quando...?), davam com ela de olhos parados, colados no vazio, ou lendo para dentro (quem sabe...?) as histórias que guardava no peito... Chegou uma altura (qual...?) em que percebiam já todos que ela se assustava quando falavam com ela, como se habitasse num outro lado do tempo onde o ponteiro das horas girava em sentido inverso... Depois, deixou de sorrir. E de ter coisas para contar. Deixou de falar. E cobriu os olhos de sombras escuras, da cor da noite. Cobriu o rosto de véus de tristeza e de silenciosas solidões. Talvez tenha sido então (seria...?) que todos notaram - e era tarde. 
Impossível resgatar do breu da noite a luz de um sol que se apagou para sempre. 

10 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Pena
que ninguém dê
por um pôr
de sol
que dói

Anna disse...

Embrulhados no nosso egoísmo, pena que não vejamos a dor de quem vive encostado a nós.

Abraço, Rogério.

Anónimo disse...

A Stora sabe que eu testemunho, embora discretamente, cada seu nascer do sol...
Gosto particularmente quando publica em nome próprio.
;)

Mar Arável disse...

Mesmo na sombra há luz que alumia

Lídia Borges disse...


O "Para Sempre" é sempre tão redutor que mal se pode crer nele. Um sol nascente aguarda algures uma fenda na sombra para brilhar.


Beijo meu

Lídia

Anna disse...

A escrita anda de costas voltadas para mim, Caríssimo viajante sem nome :)
Abraço :)

Anna disse...

Eufrázio, sempre a encontrar o azul nas ondas!
Obrigada :)

Anna disse...

Há alguns "Para sempre" irreversíveis e inevitáveis, Lídia.

Abraço-te forte, minha querida :)

Maria Campos disse...

Nini cobriu os seus olhos de sombras no dia 16 de janeiro. Não sei quando começou a entristecer. Acho mesmo, que desde sempre.
Recebi a notícia em choque.
Se pudesse, desenterrava-a e ressuscitava-a. Depois, trovejaria em gritos raivosos, abanando-a incessantemente. E não me demoveria, até que ela se convencesse de que vale a pena viver.

Anna disse...

Abraço-te, Maria Campos.