quarta-feira, 15 de julho de 2015

Palavras possíveis


Podes dizer ao mundo inteiro que estas letras são tuas. Assim como os desenhos que fiz, os espaços que deixei. Podes dizer a toda a gente que um dia te amei e que foste tu quem me fez poeta. Podes nadar em orgulho ao saber que todos os copos que bebi foram por ti. Que os cigarros que fumei ansiosa e apressadamente foram pela saudade do teu corpo. 
Quando falarem de raios e relâmpagos, de trovões e de tufões, vais poder dizer que fui eu quem fez a China, quem ergueu muralhas e deitou lágrimas de sangue. Quando te perguntarem se um dia me conheceste, diz que sim.
Responde um afirmativo de poder e de vontade. Podes deixar o medo do conhecimento alheio, agora que te sou completamente alheia. Quando um dia o mundo se desfizer verdadeiramente em estações trocadas - o Verão pelo Outono ou o Inverno pela Primavera - aí podes descansar. Podes contar à galáxia e aos seus sobreviventes que, meu eterno desconhecido, um dia me fizeste rainha.

José Eduardo Agualusa, in Revista Egoísta, nº 32

5 comentários:

Majo disse...

~~~
~ É a primeira vez que leio JEA,
com um eu lírico feminino...

~~~ Excelente!!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~~~ Abraço amigo. ~~~
~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

Anna disse...

Bom fim de semana, Majo :)
Beijinho

Anónimo disse...

Obrigada.
Eduardo.

heretico disse...

um texto um tanto ou quanto "aguado", sem dúvida.
mas gostei, claro

(por que tu o partilhas)

beijo

Anna disse...

Beijo, Herético :)