terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Nas linhas das mãos


(...)

É nas linhas das mãos que os deuses escrevem
os mais belos romances. Nas nossas, porém, somente
elaboraram um divertimento, um esboço, um rascunho,
nem sequer literatura.

Maria do Rosário Pedreira

5 comentários:

Lídia Borges disse...


Sempre tão sofrida a poesia de Maria do Rosário Pedrosa!

Às vezes levanto as mãos abertas ao vento para que ele troque as voltas às linhas. Quando as olho já tudo deixou de ser o que era... :)

Um beijo

Mar Arável disse...

Na verdade

Anna disse...

Estás a ver Lídia? Eu bem te dizia que a culpa é do vento... Ele enreda, enrodilha, emaralha, enovela as linhas da vida... Dá nós e faz laços... Nós não passamos de novelos sem ponta, embrulhados para o lado de dentro.

Um beijo :)

Anna disse...

Um abraço, Eufrázio :)

Anónimo disse...

:(