quarta-feira, 17 de maio de 2017

Amar pelos dois


Ouvi pela primeira vez a música do Salvador Sobral no sábado, durante a final do Festival da Canção. A canção é bela e pregou-me uma partida - abriu de par em par as portas da minha memória, trouxe-me de novo, com a mesma força de outrora, o Paulo, as lágrimas e a dor viva do meu primeiro desgosto de amor.
Ele era o rapaz mais bonito do nosso grupo, o mais alegre, o mais alto, o mais simpático, o único com os olhos negros, negros, tão negros... Eu tinha treze anos. Amava-o até à loucura, julgava que em segredo, até ao dia em que um jogo de Verdade ou Consequência me traiu desastrosamente... (O rapaz que amas está aqui? É o Paulo? O teu sonho é namorar com ele?) A tudo fui respondendo que sim, com a verdade - aos treze anos não sabemos ainda que há amores que se devem calar, albergar no peito, só porque sim, só porque nunca acontecerão... Envergonhadíssima, com o rosto em brasa, ia lendo as emoções do Paulo perante as minhas inesperadas verdades: desconforto, mal-estar, esfriamento. O grupo ria, queria a Consequência, o beijo na boca que eu daria ao Paulo depois daquele amor desnudado em praça pública, esventrado, dissecado, exposto do avesso aos olhos do mundo. Mas, inocentemente eu escolhi sempre a Verdade, sem saber na altura que se podia mentir num jogo jogado ao fim da tarde com amigos, num jardim da cidade. Sem saber que a verdade me tornaria alvo do riso e da troça da minha roda de amigos.
Nesse entardecer distante, o Paulo fez questão de me acompanhar a casa, num passo rápido - para despachar o assunto. Foi incisivo e breve: não gostava de mim, não sentia nada por mim, não queria que eu alimentasse sonhos impossíveis. À porta da minha casa, deu-me um beijo piedoso na face, virou-me as costas, desapareceu na esquina da rua. E eu fiquei ali, desfeita em lágrimas, o coração partido em mil pedaços pequenos, pequeninos, pequeníssimos, o pó e as cinzas do meu primeiro desgosto de amor, pensando desesperadamente que não importava se ele não sentia nada por mim - eu seria capaz de amar por nós os dois. 
Durante o festival torci muito pelo Salvador, gostei dele, da candura, da emoção, da verdade que parecia cantar de olhos fechados. E enquanto decorria a votação, pensava com os meus botões: Espero que seja só uma canção o que trazes no peito, porque se não for, deixa-te disso, Salvador. Não queiras nunca amar ou ser amado pelos dois, se numa relação existe um que ama pelos dois, o que não consegue amar partirá, mais cedo ou mais tarde, como partiu o meu Paulo naquele entardecer dos meus treze anos. Tu és jovem, Salvador, mas pela vida fora vais ver, aquele que não ama, inevitavelmente virará as costas, desaparecerá para sempre numa esquina da vida deixando o coração do que ama pelos dois partido em mil pedaços pequenos, pequeninos, pequeníssimos. Acredita em mim - não queiras cair nessa, Salvador.

4 comentários:

Mar Arável disse...

Um belo pauzinho na engrenagem
Bj

Anna disse...

Tentando, Eufrázio :)

LuísM disse...

concordo com este contra-ponto, Anna.
um texto brilhante, o seu.
antes não amar, do que amar sem ser amado.
os nossos treze anos a isso nos levou: platonismo a que, apesar de tudo, nos fizeram crescer.
um beijo, amiga.

Anna disse...

Obrigada, Luís :)

Beijo retribuído.