quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Arrependi-me sempre das palavras


Nunca me tinha apaixonado verdadeiramente. A partir dos dezasseis anos, conheci muitas mulheres, senti algo por todas. Quando lhes lia no rosto um olhar diferente, demorado, deixava-me impressionar e, durante algumas semanas, achava que estava apaixonado e que as amava. Mas depois, o tempo. Sempre o tempo como uma brisa. Uma aragem suave, mas definitiva, a empurrar-me os sentimentos, a deixá-los lá ao fundo e a mostrar-me na distância que eram pequenos, muito pequenos e sem valor. E sempre só a solidão. Sempre. Eu sozinho, a viver. Sozinho, a ver coisas que não iriam repetir-se; sozinho, a ver a vida gastar-se na erosão da minha memória. Sozinho, com pena de mim próprio, ridículo, mas a sofrer mesmo. Nunca me tinha apaixonado verdadeiramente. Muitas vezes disse amo-te, mas arrependi-me sempre. Arrependi-me sempre das palavras.

José Luís Peixoto, in Uma Casa na Escuridão

6 comentários:

Mar Arável disse...

É melhor escrever por gestos

Anna disse...

Abraço, Eufrázio.

Anónimo disse...

mas o problema de guardar palavras é que desencadeia o processo de aguardar outras.

heretico disse...

... se ele o diz, quem sou eu para o contrariar?

beijo

Anna disse...

Grata, Anónimo :)

Anna disse...

Um abraço, Herético :)