quinta-feira, 9 de abril de 2015

Da leitura


Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo... Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.

Clarice Lispector, in A Descoberta do Mundo

8 comentários:

Mar Arável disse...

A complexidade do simples

Lídia Borges disse...

Sim, entendo!...

Ai, a literatura, a literatura... Assim, a coitada da Maria da Piedade que pela mão/pena do Eça foi levada até ao moinho para se perder em vãs ilusões.
Devia achar que a literatura não era para mulheres, o "nosso" Eça... :)

Um beijo

Majo disse...

~
«Não me lembro mais qual foi o nosso começo,
Sei que não começámos pelo começo.
Já era amor antes de ser.»

~ ~ ~ ~ ~ Clarisse Inspector ~ ~ ~ ~ ~

~ Um ''post'' simples, mas muito interessante. ~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Anna disse...

A simplicidade do sonho :)

Grata, Eufrázio.

Anna disse...

Tens razão Lídia, o nosso Eça era cruel com as suas protagonistas :)

Beijo, até amanhã! :)

Anna disse...

Eternamente, a Clarice... :)

Grata, Majo :)

heretico disse...

por vezes a literatura é mais "real" que a vida...

Anna disse...

Mesmo :)

Abraço, Herético