sábado, 7 de março de 2015

Segredo


Segreda-me a canção dos dias
sem que nos ouça a noite terrível
e deixa que dance em mim a voz,
a voz azul que é o lugar onde
o mundo não pára de nascer.

Segreda-me o teu nome, agora,
e farei de nós o amor, a constelação,
o sonho de uma estação sem morte.

Vasco Gato, "Segredo" in Um mover de mão

6 comentários:

AC disse...

Na fragilidade das coisas se desenham os mais belos sentimentos...

Um beijinho :)

heretico disse...

um segredo muito bem murmurado

gostei. deveras!

beijo

Anna disse...

Grata pela visita, AC :)

Beijinho

Anna disse...

Obrigada, Herético!

Beijo

Mar Arável disse...

Um belo sussurro

Anna disse...

Belíssimo, sim...

Um abraço, Eufrázio :)