terça-feira, 27 de maio de 2014

Por dizer


Havíamos de falar desta luz quebrada, do cheiro doce e intenso das últimas glicínias, da maneira estranha que tenho de derrubar paredes no silêncio em que me escrevo. Havíamos de regressar ao fim do dia no minuto breve em que a tarde se inclina e derrama horas tranquilas. Eu ensinar-te-ia as cores que não vês e pousaria nas tuas mãos as sílabas do meu poema inacabado para que tu as ordenasses e para que pudesses prender os versos soltos no corpo das estrofes. Havíamos de ter tempo. Havia de haver outro tempo. Meu amor.

8 comentários:

Anónimo disse...

Havia de haver outro tempo, não fosse a vida um permanente contratempo...

;)

Gustavo disse...

O tempo que haveríamos de ter é aquele que se inventa no minuto breve em que a tarde se inclina e derrama horas tranquilas, nesse minuto-eternidade onde na suave melodia de um silêncio partilhado cabem afinal todas as palavras por dizer.
Abraço.

Anna disse...

Eu acredito no tempo, Caríssimo. Ele encarrega-se de repor, sabiamente, a ordem das coisas. E a verdade.

Anna disse...

Mas esse blogue ainda não tem nome, Gustavo?

Abraço retribuído :)

Gustavo disse...

Anna,

Gosto muito do seu blog que me faz tão bem e quando comentei que a via caminhar em direcção a um fabuloso destino (fazendo alusão à Amélie) disse-o com total convicção. Acho que os comentários são uma forma de retribuirmos o tanto que nos dá e, nesse aspecto, fico triste por haver tão poucos mas imagino que muitos possam falar consigo pessoalmente.
Ainda não resgatei o meu blog do reino das intenções pelo que continuarei afincadamente a ser apenas um seu “membro” e um seu “comentador”.

Abraço,

Gustavo

Anna disse...

Obrigada, Gustavo. Pelo carinho das suas palavras. Pela generosidade. Pela presença.

Um abraço :)

Joaquim do Carmo (Quicas) disse...

... do tempo (in)condicional que... não deixa perder tempo!
Beijinho
Joaquim do Carmo

Anna disse...

... do tempo, implacável.

Beijinho, Joaquim :)