terça-feira, 28 de junho de 2011

Palavras partidas

Devias estar aqui rente aos meus lábios
para dividir contigo esta amargura
dos meus dias partidos um a um

- Eu vi a terra limpa no teu rosto
Só no teu rosto e nunca em mais nenhum.

Eugénio de Andrade

segunda-feira, 27 de junho de 2011

domingo, 26 de junho de 2011

Amor é bicho instruído


Amor é bicho instruído
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

Carlos Drummond de Andrade, O Amor bate na aorta (Texto com supressões)

sábado, 25 de junho de 2011

Mar

Bebo-o a colherinhas de olhos
na taça da manhã.
E nem ele se esgota,
nem eu me sacio.

Luísa Dacosta, Mar

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Tão fácil de entender

Não são as pessoas em si, não são as pessoas que se perdem, mas o tempo e o sonho preso a elas. Há gente que não entende isto.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Sem Palavras

Faltam-me palavras para te contar.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

A consistência das sombras

Abro a porta e saio só para sentir o cheiro da noite. Espero em silêncio que a pele se habitue ao frio e os olhos à escuridão, e inconscientemente inclino a cabeça para ouvir a coruja que habita as ruínas do velho aqueduto. Nada se move, como se a vida, suspensa, esperasse também que a chama do cigarro se consuma no último trago para retomar serena o seu respirar... Nas árvores negras as aves dormem e bichos rastejam velozes na mata ao abandono... Sento-me, como sempre, no último degrau e espero. Qualquer coisa. Qualquer som. Qualquer luz ou cheiro. Espero. Espero que isto que sinto, tome a consistência das sombras.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Da Saudade

Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.

Clarice Lispector

Ó Stora...

Despedi-me deles que sorriam, os pensamentos já na praia, nas festas, nos acampamentos e na piscina, no café e no cinema, nos festivais, na alegria sublime de se ter dezasseis anos e se ser dono da vida e do mundo. Despedi-me deles com saudade, tantas horas juntos, tanta coisa partilhada que rasga os livros, as matérias, atravessa as salas de aula e se escreve com ternura no coração... Despedi-me deles com amor e fiquei a vê-los partir em bandos de risadas, braçadas de almas plenas de esperança que a vida não devia trair... Despedi-me deles com a sensação de que são um pouco meus, de que levam um bocadinho de mim, como só é possível quando se partilha o avesso de nós, quando se mostra sem pudor nem medo o sombrio lado lunar. Conheço-os e eles conhecem-me... Provaram conhecer-me quando a aluna delegada me entregou tão feliz o presente de todos, um poema feito pela turma, cada verso escrito por um punho diferente... Leram-no todos, um verso cada um, policiando as minhas emoções que caíam em derrocada nos olhos brilhantes. Explodiram em palmas, Ó Stora, não somos poetas?, abraçaram-me, e depois partiram...

No silêncio que ficou na sala vazia, ecoava ainda o gesto de ternura, como o bater cadenciado de um coração...

Sou professora deles, mas tanto que eles me ensinam...!

domingo, 12 de junho de 2011

Adeus, Isabel. Descansa em paz.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Do nada



O mundo acabou. E não ficou nada. Nenhum sorriso. Nenhum pensamento. Nenhuma esperança. Nenhum consolo. Nenhum olhar.

José Luís Peixoto, Nenhum Olhar

Inventa-me um ninho

O meu sonho é como um cão vadio, desses que se nos colam à porta e ali ficam, de olhos meigos e submissos, implorando guarida. Já o enxotei, já o apedrejei, mas ele volta. Quando me apanha distraída, sempre que eu baixo a guarda, ele regressa, entra por um vazio qualquer do olhar e enrosca-se num novelo triste à porta do coração. Deixei de o alimentar, há muito tempo que não o abrigo no calor da memória, mas de nada adianta. Ele volta. Volta sempre.

Por agora, faço de conta que ele não existe e deixo-o enrolado na sua própria solidão, nada pedindo, nada exigindo em troca, a não ser que o deixe ficar aqui... Por agora, finjo que não o vejo, que é só um cão vadio errando nas estradas do tempo, lutando pela sobrevivência, à procura de um dono qualquer que lhe invente um ninho.

Anna Sophia Moraes

quinta-feira, 9 de junho de 2011

O meu corpo

Quando a vida me dói mais, calço as sapatilhas e levo o meu corpo à beira-mar. Somos só nós, eu e o meu corpo gelado de vento, cansado do tempo, o meu corpo caminhando, com os olhos cheios de azul e a boca a saber a sal. Com o meu corpo correndo, fujo de mim, das vozes e das sombras, das faltas e das sobras, das dores e das horas. Quando a vida me dói mais, só posso fugir pelo meu corpo que se esgota até à exaustão, para me permitir regressar a mim. E lembro-me sempre do Apolinnaire, que fala das sete portas do corpo de uma mulher. Talvez ele tivesse razão... Mas o meu corpo não tem portas, como o mar. Tão infinito quanto ele.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Da Alma

No meu pior pesadelo, a alma é só uma superfície plana onde tudo está parado, pelo que ninguém pode dizer o que nela vai.

Miguel Esteves Cardoso, O Amor é Fodido